Ansiedade, depressão e conflitos familiares são principais focos de atendimento em plantão psicológico empresarial

Compartilhe Essa notícia

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

O Plantão Psicológico implementado pelo Mercadinhos São Luiz acaba de completar um ano de funcionamento neste mês de janeiro, mês do ano que é também dedicado à conscientização para as questões e necessidades relacionadas à saúde mental e emocional das pessoas e das instituições humanas. O levantamento parcial do serviço apontou que os principais focos do atendimento envolvem casos de ansiedade, depressão, conflitos familiares, luto e perdas.

Dados da OMS apontam que depressão e ansiedade têm importantes repercussões econômicas: estimou-se que elas custam anualmente à economia mundial US$ 1 bilhão em perda de produtividade. Ainda segundo a organização, para cada US$ 1 investido na extensão do tratamento de transtornos mentais frequentes, é obtido um rendimento de US$ 4 para melhorar a saúde e a produtividade.

Os atendimentos no Mercadinhos São Luiz iniciaram de forma presencial, uma vez por semana, mas com a pandemia passaram a ocorrer virtualmente.  Os meses de maior procura foram justamente de março a julho de 2020, no momento de maior preocupação com o novo coronavírus.

A psicóloga e psicoterapeuta Mariana Crisóstomo, explica que o plantão psicológico no ambiente corporativo marca o início do cuidado de saúde mental do colaborador e até mesmo uma desmistificação do tema. “Durante os atendimentos escutei relatos de colaboradores que demonstram isso, que psicólogo é para quem é ‘doido’, ou alguém que enfrenta uma depressão não pode ser promovido”, conta.

Segundo a especialista, o acesso a um atendimento psicológico no ambiente empresarial contribui para melhorar as relações de trabalho e identificar como o trabalho pode ser um gerador de saúde ou adoecimento para aquele colaborador ou grupo.

Quando procurar o plantão psicológico:

Mariana Crisóstomo sugere que um colaborador procure ajuda profissional quando surgirem dúvidas e conflitos sobre:

– Vida: sobre si mesmo, luto, nascimento, perda repentina de pessoas queridas.

– Trabalho: mudança de cargo ou carreira, aposentadoria, relacionamentos com líderes e colegas.

– Saúde: pré e pós-cirúrgico, doenças em geral com diagnóstico que impactem na saúde mental; pensamentos suicidas, transtornos mentais.

– Relações familiares: namoro, filhos, casamento, separação.

Janeiro Branco

Janeiro foi escolhido para a realização da campanha “Janeiro Branco”, porque no primeiro mês do ano, em termos simbólicos e culturais, as pessoas estão mais propensas a pensarem em suas vidas, em suas relações sociais, em suas condições de existência, em suas emoções e em seus sentidos existenciais. E, como em uma “folha ou em uma tela em branco”, todas as pessoas podem ser inspiradas a escreverem ou a reescreverem as suas próprias histórias de vida.

Foto: divulgação

0
Rodrigo Kawasaki

Rodrigo Kawasaki

Editor-chefe da Público A.