Cientistas descobrem força de composto do chá verde para evitar câncer

Compartilhe Essa notícia

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

Um dos compostos do chá verde – consumido na China há 4 mil anos – pode ser a chave para evitar o câncer, de acordo com uma nova pesquisa publicada este mês na Nature Communications.

Ele ativa um gene chamado p53, que bloqueia o desenvolvimento de tumores.

Conhecido como o “Guardião do Genoma”, por sua capacidade de reparar danos ao DNA e destruir células cancerosas, o p53 é classificado como um supressor de tumor.

O novo estudo mostra que um antioxidante encontrado na bebida tradicional chinesa pode aumentar os níveis de p53 e melhorar sua eficiência, garantem os pesquisadores da Rensselaer Polytechnic Institute em Troy, Nova York, EUA.

Remédio

Estudar a interação direta entre o p53 e o composto do chá verde, galato de epigalocatequina (EGCG), oferece esperança de que uma nova droga possa ser criada para imitá-lo.

“Mutações em p53 são encontradas em mais de 50% do câncer humano”, disse o autor do artigo, o professor Chunyu Wang, que a chamou de “indiscutivelmente a proteína mais importante do câncer humano”.

Uma técnica de varredura de última geração, chamada espectroscopia de ressonância magnética nuclear, mostrou que o EGCG protege o ‘domínio N-terminal’ da estrutura celular da degradação.

Chá verde

EGCG é um antioxidante natural, o que significa que ajuda a desfazer os danos quase constantes causados ​​pelo metabolismo do oxigênio.

Encontrado em abundância no chá verde, o EGCG também é embalado por muitas empresas como um suplemento de ervas.

A equipe de Wang identificou o mecanismo específico – a interação benéfica entre EGCG e p53 – pela primeira vez.

Combinação do antioxidade e gene

“Quando o EGCG se liga ao p53, a proteína não está sendo degradada … então o nível de p53 aumentará com a interação direta.”

“Isso significa que há mais p53 para a função anticâncer”.

Quando operando em plena capacidade, o p53 ativa os mecanismos de reparo do DNA e evita que as células com DNA danificado se dividam.

Se o dano ao DNA for irreparável, o p53 induz a célula a se destruir por meio de apoptose, ou morte celular programada.

“Ao desenvolver uma compreensão dos mecanismos de nível molecular que controlam as principais interações bioquímicas ligadas a doenças devastadoras – como o câncer e a doença de Alzheimer -, a pesquisa de Chunyu está preparando as bases para novas e bem-sucedidas terapias”, disse Curt Breneman, reitor da Rensselaer School of Ciência.

Com informações do GNN e Nature/SóNotíciaBoa – Foto: pixabay

0
Rodrigo Kawasaki

Rodrigo Kawasaki

Editor-chefe da Público A.