Com período chuvoso, cuidados com a saúde das crianças devem ser intensificados

Compartilhe Essa notícia

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

Durante o período chuvoso, é preciso intensificar a observação à saúde das crianças

Com a proximidade da quadra chuvosa no Ceará, entre os meses de fevereiro e maio, e a permanência do alerta para os riscos da Covid-19, é preciso atenção especial com a saúde das crianças. Medidas de higiene precisam ser reforçadas, principalmente os cuidados em relação à limpeza das mãos, à qualidade da água e aos alimentos.

“Os cuidados com a Covid-19 também se estendem às outras patologias da infância. Assim, a higiene das mãos, dos alimentos, a qualidade da água, tudo isso vai influenciar na prevenção de outras patologias e outras viroses que podem vir em virtude da falta de higiene”, explica Stella Monteiro, coordenadora médica da emergência pediátrica do Hospital Regional Norte (HRN), unidade do Governo do Ceará.

A médica também reforça o uso de máscaras por crianças de mais de dois anos de idade, apesar de o quadro de patologias virais, como as gripes comuns, terem reduzido em virtude da diminuição da socialização dos pequenos durante a pandemia.

As infecções por dengue também tiveram redução neste período devido às campanhas do Governo do Ceará e dos cuidados mais atentos da população com criadouros de mosquitos, já que houve maior permanência em casa.

Vacinação

Stella Monteiro ressalta que os pais devem cumprir todo o calendário de vacinação das crianças para garantir a imunização contra doenças como sarampo, poliomielite, varíola e até o rotavírus. A médica aponta, ainda, os principais sintomas que podem trazer um alerta para os pais procurarem os serviços de saúde.

Em relação à Covid-19, a criança pode ter desconfortos respiratórios, gastrointestinais ou, em menor proporção, problemas de pele. Em sinal de resfriado com coriza, os pais devem procurar a unidade básica de saúde mais próxima.

Cuidados

No entanto, se a criança tem um quadro com desconforto respiratório, tosse persistente, recusa alimentar, febre elevada ou se está gemente, é necessário procurar um serviço de emergência para atendimento imediato.

Quando apresentarem causas gastrointestinais, a diarreia pode ser ocasionada tanto pela Covid-19 como por outras causas virais ou alimentares. Segundo Stella Monteiro, com três a quatro evacuações por dia, é preciso aumentar a oferta de líquidos e manter a dieta habitual de forma mais regular, evitando gorduras, frituras, refrigerantes e sucos açucarados.

Com o número de evacuações superior a três ou quatro, a criança deve ser levada a uma unidade básica de saúde. Se apresentar muco ou sangue nas fezes, pouca urina, vômitos, e se tiver febre elevada ou se estiver muito irritada ou muito letárgica, gemente, é indicado procurar um serviço de emergência. “O maior risco das diarreias é a desidratação. Por isso, é preciso observar os sinais de alerta”, afirma a médica.

O alerta é também para doenças bacterianas, como a disenteria bacteriana, conhecida como shigelose. A doença intestinal é causada por bactérias Shigella, transmitida pela água, por alimentos infectados ou pelo contato com fezes contaminadas.

Edvania Leandro do Nascimento, mãe de Maria Esther, de 3 meses, já sabe dos cuidados necessários de higiene com a filha. “Ela só mama. Então, tenho cuidado com a higiene dela e estamos evitando visitas”, ressalta. Ela levou a pequena ao serviço de emergência do HRN após perceber uma diminuição do volume de urina e uma sudorese intensa na criança. “Tive medo da minha filha estar desidratada”, justifica.

Teresa Fernandes – Ascom HRN – Texto e Foto

0
Rodrigo Kawasaki

Rodrigo Kawasaki

Editor-chefe da Público A.