Hapvida investe cada vez mais em Inteligência Artificial – mercado promissor para o futuro da saúde

Compartilhe Essa notícia

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

O Sistema Hapvida já se configura entre os exemplos de sucesso na utilização da Inteligência Artificial na área de saúde no Brasil, com a Maida.health que compõe o grupo e que é composta pelas empresas Infoway e Haptech. Em 2019, as duas healthtechs, ambas com mais de 20 anos de experiência, somaram riquezas de dados, inovação e capacidade de gestão para oferecer soluções para planos de saúde, Inteligência Artificial e telemedicina. O propósito da Maida.health é promover acesso à saúde por meio da inovação.

A Inteligência Artificial (IA) já atua em diversos formatos e funcionalidades, com melhorias de processos, inovações e soluções usadas no cotidiano da sociedade para aprimorar o modo de vida das pessoas e promover benefícios. Com a AI, os processos ficam mais eficientes, diminuindo os custos da operação de clínicas, hospitais e consultórios.

Segundo estudo divulgado pela a Organização Mundial da Saúde (OMS), a IA está revolucionando os campos da Medicina, pesquisa e saúde pública. O setor em todo o mundo chegou a ser avaliado em cerca de US$ 600 milhões em 2014 e deve atingir, ao todo, US$ 150 bilhões em 2026. Dentro dessa estatística, estima-se que, até 2025, 90% dos hospitais dos Estados Unidos utilizarão sistemas de IA para melhorar a qualidade de atendimento de pacientes e, assim, diminuir a taxa de mortalidade da população.

 Aqui no Brasil, os dados do Banco Mundial demonstraram que o desenvolvimento e a aplicação de sistemas de IA direcionados a analisar prontuários eletrônicos podem otimizar custos em até R$ 22 bilhões, que poderiam em grande parte evitar repetições desnecessárias de tratamentos, diagnósticos errados e exames. 

Sobre a Maida.health

A Maida.health, do Sistema Hapvida, utiliza a tecnologia de ponta dos dados, a Inteligência Artificial e seus demais aparatos de inovação para promover um atendimento humanizado. “Fugimos muito da visão industrial de tratar as pessoas como coisas. Enxergamos pessoas como pessoas, da forma como devem ser tratadas”, declara Ney Paranaguá, sócio da Maida.health e professor do Instituto Federal do Piauí (IFPI).

Por exemplo, a base de dados herdada do Hapvida permite que seu grande volume de informações e contato com relevância estatística sejam aplicados para melhorar as ferramentas e as análises do comportamento dos usuários. Isso, resumidamente, garante que os serviços sejam mais personalizados e se adaptem às necessidades dos clientes.

Ney ainda destaca que “a inteligência artificial é uma tecnologia de propósito geral que visa levar uma série de melhorias em todos os segmentos, modificando boa parte das relações sociais. Na área da saúde ela atua tanto nos campos de novos tratamentos quanto na gestão em si. Hoje, o maior desafio é convencer os ambientes organizacionais de recepcionar essas iniciativas”.

Entre as novidades apresentadas está o Octopus, que é uma plataforma de regulação médica realizada por Inteligência Artificial e Crowdsourcing. Esse sistema tem a capacidade de emitir um alto percentual de respostas automáticas para solicitações médicas, o que garante para médicos e pacientes agilidade e precisão na aprovação de procedimentos e tratamentos.

Visando levar melhorias e praticidade à sociedade, o Maida.health está aperfeiçoando o sistema de teleconsultas, que já era um recurso disponível para os pacientes antes da pandemia, no contexto das recentes mudanças em função do isolamento social. Tornou-se, porém, uma alternativa indispensável para que vários profissionais continuassem entregando o que têm de mais valoroso, que é o conhecimento necessário à promoção e assistência à saúde.

A teleconsulta, atrelada às ferramentas do Maida.health, tem potencial de revolucionar o sistema de atendimento, desde que aplicada com efetividade, critério e considerando o modelo híbrido, para os casos nos quais o atendimento presencial seja indispensável. Seu uso é uma oportunidade para superar resistências e elaborar métodos e práticas.

Foto: divulgação

0
Rodrigo Kawasaki

Rodrigo Kawasaki

Editor-chefe da Público A.