HUB de Hidrogênio Verde é lançado no Ceará com a parceria da FIEC

Compartilhe Essa notícia

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

O Ceará deu, nesta sexta-feira (19/2), o pontapé inicial para tornar-se um importante HUB de produção e exportação de Hidrogênio Verde. A Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), em parceria com o Governo do Estado e a Universidade Federal do Ceará (UFC) participaram de solenidade, transmitida pelas redes sociais, que contou com a assinatura de um memorando de entendimento com a empresa australiana Energyx Energy para a construção de uma usina do combustível no Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP). A empresa deverá aportar US$ 5,4 bilhões no projeto, ao longo dos próximos anos. Também foi assinado decreto estadual criando um Grupo de Trabalho, do qual a FIEC e a UFC fazem parte, que irá conduzir a implantação do HUB no Estado.

O Governador Camilo Santana recebeu em seu gabinete, para a cerimônia, o Presidente da FIEC, Ricardo Cavalcante, o Reitor da UFC, Cândido Albuquerque, e o Secretário do Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet), Maia Júnior. Outros secretários e representantes do Porto de Roterdã e da Energyx Energy participaram virtualmente da solenidade.

O Presidente da FIEC considera o momento histórico para o Ceará, pois a produção do Hidrogênio Verde poderá mudar a indústria, a economia e o perfil socioeconômico cearense. “Desde 2013 discutimos o Hidrogênio Verde. Toda a base industrial de alguns países já está sendo mudada não só para a produção de energia, mas também para transportes de caminhão, trem, navio e também de avião, já utilizando o Hidrogênio Verde para isso. O Ceará, com toda essa capacidade de geração, poderá sim se tornar um grande produtor mundial de Hidrogênio Verde. Parabenizo o Governo do Estado e a todos os envolvidos”, afirmou.

Camilo Santana avaliou o lançamento do HUB como um momento histórico para o Ceará. Ele afirmou que o Estado parte na vanguarda com o projeto e explicou que o objetivo é transformar o Porto do Pecém num grande polo de produção do Hidrogênio Verde, que poderá abastecer a indústria nacional e internacional, em substituição a combustíveis fósseis, reduzindo, assim, a emissão de poluentes no ar.

“É possível colocar esse Hidrogênio num navio e exportar. Para produzir Hidrogênio, o Ceará tem algumas condicionantes favoráveis a nós. Temos grande potencial de energia eólica e solar, que serão utilizadas nesse processo de produção de Hidrogênio. Segundo, a nossa localização geográfica. Somos o ponto mais próximo da Europa e temos uma ampla conectividade com o continente graças à parceria do Porto do Pecém com o Porto de Roterdã. São vantagens competitivas muito importantes”, destacou.

Segundo ele, a parceria do Governo com o setor produtivo, por meio da FIEC, e com a Academia, por meio da UFC, servirá para aprofundar estudos e elaborar estratégias de busca de investidores e investimentos para o HUB.

“Essa produção de Hidrogênio Verde pode ser o grande marco de uma transformação econômica do Estado do Ceará nos próximos anos”, ressaltou.

O Reitor da UFC também parabenizou o governo pelo pioneirismo nessa iniciativa que, segundo ele, representa um salto tecnológico e de inovação para o Ceará. De acordo com ele, o papel da Universidade é buscar soluções para empreendimentos como esse, que além do potencial econômico contribui para a redução da emissão de CO2 na atmosfera.

“Ao contrário de esperar que outras nações produzam para que a gente importe, nós estamos saindo na frente, criando a tecnologia. Nós estamos inovando, nós estamos empreendendo e isso é fundamental para alavancar o desenvolvimento. O poder público se associa à iniciativa privada e à academia, numa cooperação que merece nosso aplauso”, declarou.

O Secretário Maia Júnior sinalizou que o HUB é um projeto de futuro, cujos frutos serão colhidos posteriormente. “É um passo gigantesco para a transformação no futuro”, comentou. A iniciativa representa, na sua opinião, riqueza e oportunidades para o povo cearense e sinaliza a geração de emprego e renda de maior valor agregado. “O Hidrogênio Verde é um elemento que se soma aos nossos outros potenciais para gerar riqueza. Tudo isso foi construído com diálogo, com a participação de todos”, pontuou. Segundo ele, a ideia é que a Cegás seja uma distribuidora do Hidrogênio.

Saiba mais

O Hidrogênio Verde é o hidrogênio obtido a partir de fontes renováveis, como a energia solar e a energia solar, sem a emissão de carbono. É produzida através de eletrólise, sendo prática sustentável e já adotada em vários países do mundo. Esta tecnologia está baseada na geração de Hidrogênio — um combustível universal — por meio de um processo químico conhecido como eletrólise. Este método utiliza a corrente elétrica para separar o hidrogênio do oxigênio que existe na água. Por esta razão, se essa eletricidade for obtida de fontes renováveis, então a energia será produzida sem a emissão de dióxido de carbono na atmosfera.

A nova tecnologia, que vem se tornando uma das mais importantes e debatidas no cenário internacional de energia, pode produzir energia limpa aplicada às mais diversas áreas como as industriais, hospitalares e domiciliares, além de poder ser utilizada como combustível para automóveis, contribuindo efetivamente no movimento de descarbonização mundial, entre outros.

Foto: divulgação

0
Rodrigo Kawasaki

Rodrigo Kawasaki

Editor-chefe da Público A.