[PÚBLICO A DESTAQUE] Ceará sediará centro de referência em Inteligência Artificial

Compartilhe Essa notícia

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

O Ceará será sede de um dos seis Centros de Pesquisas Aplicadas (CPAs) em Inteligência Artificial (IA) apoiados através de uma parceria entre o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), o CGI.br – Comitê Gestor da Internet no Brasil – e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). O processo envolveu uma disputa de 19 propostas em todo o Brasil e os selecionados terão um investimento de R$ 1 milhão por ano (com contrapartida de mesmo valor dos proponentes) para cada um dos novos centros, por um período de até 10 anos.

O centro do Ceará conta com apoio da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), que contribuiu na elaboração da proposta – principalmente com o envolvimento de pesquisadores que integram o Programa Cientista Chefe do Estado e compõem o Comitê Gestor do Centro aprovado. O projeto tem à frente a Universidade Federal do Ceará (veja foto da sede do centro, no Campus do Pici) e seu principal objetivo é otimizar o atendimento, através de Inteligência Artificial, do Sistema HAPVida, serviço de saúde suplementar que hoje está presente em todas as regiões do Brasil e conta com mais de 6 milhões de clientes.

A iniciativa local irá envolver, além da Funcap, da empresa HAPVida Assistência Médica Ltda. e da UFC, equipes da Universidade de Fortaleza (Unifor), da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) e da Universidade Federal do Piauí (UFPI). Serão desenvolvidos projetos por meio de recursos como aplicação de internet das coisas (IoT), big data e transformação digital.

A expectativa é de que o atendimento na área de saúde tenha a qualidade melhorada sem que isso acarrete em mais custos para os consumidores dos planos. Serão 6 linhas de pesquisa principais: “predição de doenças crônicas”, “apoio à avaliação de exames radiológicos”, “engajamento de pacientes em programas de promoção da saúde e prevenção de doenças crônicas”, “sistema inteligente para monitoramento remoto de paciente”, “anamnese assistida por inteligência artificial” e “interfaces com alta qualidade para ciência de dados na saúde”.

A avaliação das 19 propostas ocorreu entre outubro de 2020 e março deste ano e envolveu mais de 80 pareceres de assessores nacionais, internacionais e das coordenações da Fapesp. Os CPAs seguem o modelo adotado no programa Centros de Pesquisa em Engenharia/Centro de Pesquisa Aplicada da Fapesp.

De acordo com os organizadores da chamada, há um entendimento de que para que o Brasil se torne uma referência em Inteligência Artificial e seja inserido junto aos grandes players do mundo, é necessário intensificar as atividades de pesquisa científica e tecnológica e escolher nichos e problemas específicos do País que possam ser resolvidos. Esse esforço por resultados demanda o estabelecimento de parcerias entre o setor privado e os órgãos governamentais.

Os CPAs escolhidos, mesmo que trabalhem em demandas específicas de empresas, deverão realizar pesquisas básicas e aplicadas complexas, orientadas a problemas, e buscar produzir conhecimento que possa contribuir para gerar riquezas para o Brasil e melhorar a qualidade de vida de toda a população.

Ascom Funcap – Texto

Rodrigo Kawasaki

Rodrigo Kawasaki

Editor-chefe da Público A.