[PÚBLICO A SAÚDE] IJF alerta sobre riscos de acidentes com cobras

Compartilhe Essa notícia

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

O Núcleo de Assistência Toxicológica do Instituto Doutor José Frota (IJF), unidade da rede de emergência em saúde da Prefeitura de Fortaleza já registrou neste ano o acolhimento de 86 pacientes, vítimas de acidentes com cobras. Em 2020, ao todo, foram 144 vítimas hospitalizadas. Já em 2019, a Emergência somou 212 internações.

Os índices alertam para os riscos de envenenamento por mordidas de animais peçonhentos, que podem inclusive levar ao óbito. Nos três últimos anos, a unidade registrou cinco mortes decorrentes de intoxicações causadas por picadas de serpentes.

No caso de acidentes como esses, a população de Fortaleza deve procurar o Centro de Assistência Toxicológica (Ceatox) do IJF, que é referência regional no socorro às vítimas de intoxicações agudas graves causadas, principalmente, por acidentes com animais peçonhentos.

O que não fazer?

Os especialistas alertam que em casos de picadas de animais peçonhentos você não deve:

  • Amarrar ou fazer torniquete no membro acometido;

  • Aplicar qualquer tipo de substância no local da picada;

  • Oferecer bebidas alcoólicas, querosene ou outros tóxicos,

  • Esfregar e tentar sugar o local da lesão.

A melhor forma para não sofrer acidentes com animais peçonhentos é a prevenção. E para evitá-los, a Secretaria de Saúde do Estado do Ceará listou algumas dicas. São elas:

  • Utilizar equipamentos de proteção individual (EPI) como luvas de raspa de couro e calçados fechados durante o manuseio de materiais de construção, transporte de lenhas, movimentação de móveis, atividades rurais, quintais e terrenos baldios;

  • Olhar sempre com atenção o local de trabalho e os caminhos a percorrer;

  • Não colocar as mãos em tocas ou buracos na terra, ocos de árvores, cupinzeiros;

  • No amanhecer e entardecer, evitar a aproximação com vegetação muito próxima ao chão, gramados ou até mesmo jardins pois é nestes momentos que as serpentes estão em maior atividade;

  • Inspecionar roupas, calçados, toalhas, roupas de cama, panos de chão e tapetes antes de usá-los;

  • Afastar camas e berços das paredes e evitar pendurar roupas fora dos armários.

Fonte: CMFor por Anna Regadas – Foto: Instituto Vital Brasil

Rodrigo Kawasaki

Rodrigo Kawasaki

Editor-chefe da Público A.