Tratamentos inovadores da escoliose preservam crescimento das crianças e diminuem riscos

Compartilhe Essa notícia

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

Especialista da SBOT-CE ressalta que o diagnóstico precoce é essencial, pois casos mais graves podem comprometer a função pulmonar, além de afetar a autoestima

 

As cirurgias realizadas atualmente para o tratamento da escoliose em crianças possuem métodos e tecnologias que permitem controlar a curvatura da coluna ao mesmo tempo em que preservam o crescimento e o desenvolvimento ósseo.

A escoliose é uma deformidade na coluna vertebral que não têm causa conhecida em aproximadamente 85% dos casos – é a chamada escoliose idiopática. Embora a maioria das pessoas com escoliose tenha curvatura leve da coluna, algumas apresentam condições mais severas (curvas superiores a 50 graus) e a cirurgia é um caminho necessário para evitar a progressão da doença e devolver qualidade de vida.

Segundo o Dr Fernando Façanha, membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia – Regional Ceará (SBOT-CE), a tecnologia usada hoje no Brasil consiste em colocar na região da coluna vertebral hastes acopladas em trilhos que acompanham o crescimento da criança. A movimentação dos trilhos é feita a cada seis meses por meio de um procedimento cirúrgico minimamente invasivo.

“Há escolioses agressivas que requerem que o controle da curvatura seja feito o mais precoce possível. Esse tratamento é utilizado como forma de corrigir a curvatura da coluna até a criança chegar a uma idade em que seja possível fazer a cirurgia definitiva, que impede que a coluna continue se curvando. Em geral, recomendamos a colocação dessas hastes em crianças que tenham menos de 10 anos de idade.”

Ele ressalta que o diagnóstico precoce é essencial, pois os casos mais graves podem comprometer a função pulmonar por conta do impacto da deformidade na caixa torácica, além de afetar a autoestima.

Novo método

De acordo com o especialista, um método cirúrgico mais moderno está em análise no Ministério da Saúde. Com o mesmo princípio de uso de hastes e trilhos para acompanhar o crescimento da coluna, o equipamento utiliza pontos magnéticos para se movimentar. O ajuste é feito no próprio consultório médico por meio de um controle que aciona o campo magnético, não necessitando novas intervenções cirúrgicas.

Adultos com escolioses de grau severo também podem receber a indicação cirúrgica para que a doença não progrida, o que pode acontecer mesmo que a coluna já tenha finalizado seu crescimento.

Foto: divulgação

 

 

0
Rodrigo Kawasaki

Rodrigo Kawasaki

Editor-chefe da Público A.