[PÚBLICO A SAÚDE] Homens são os que mais doam sangue no Ceará entre os 2% da população doadora

Compartilhe Essa notícia

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

Pessoas do gênero masculino com idade a partir de 29 anos, com escolaridade de nível médio completo e que se autodeclaram negros ou pardos compõem o perfil do doador cearense

O doador de sangue Arlindo Almeida, de 30 anos, começou a doar no Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce) há menos de seis meses, mas, neste intervalo, já realizou três doações. Duas foram de sangue e a outra, de plaquetas por aférese – quando a doação é feita por meio de um equipamento automatizado que retira apenas um componente do sangue escolhido (as plaquetas, neste caso).

“Eu quis doar pela primeira vez depois que vi uma propaganda do Hemoce na televisão. Nunca tive um parente ou amigo próximo que precisou receber sangue, foi uma vontade de ajudar a quem estivesse precisando e hoje, ao ler um cartaz na recepção sobre doação de plaquetas, fiquei curioso para saber se podia, decidi tentar e deu tudo certo. Doar é simples”, conta o voluntário.

No Ceará, 2,21 % da população doa sangue, conforme aponta o Plano Diretor de Sangue e Hemoderivados do Hemoce, documento que reúne os principais dados de hemoterapia do Estado e que é atualizado a cada quatro anos. Pessoas do gênero masculino são as que mais doam. O índice cearense está acima da média nacional de 1,8%, de acordo com dados mais recentes do Ministério da Saúde.

“O Hemoce trabalha regularmente com campanhas de conscientização sobre a importância de doar como um gesto voluntário, altruísta e regular. Esses princípios são fundamentais para desenvolver a consciência que a doação de sangue é um gesto para beneficiar pessoas que você nunca irá conhecer e que a principal motivação é ajudar a salvar vidas. No Hemoce, mais de 90% das doações recebidas são espontâneas. Isso mostra que temos uma população consciente da sua responsabilidade social”, afirma a diretora-geral do Hemoce, Luciana Carlos.

Perfil de quem doa

O perfil do doador de sangue do Hemoce é de pessoas do gênero masculino, com idade a partir de 29 anos, com escolaridade de nível médio completo e que se autodeclaram negras ou pardas. A maioria dos doadores é do tipo sanguíneo O positivo. A faixa etária que menos doa é o jovem de 16 a 18 anos.

“É preciso conscientizar os mais jovens para exercer esse ato de cidadania e compromisso social. Os jovens são os doadores do futuro, então essa sementinha precisa ser plantada desde cedo para que possamos ter uma população doadora regular nos próximos anos”, indica Nágela Lima, coordenadora da Captação de Doadores de Sangue.

Em 2020, o Hemocentro de Fortaleza coletou 49.795 bolsas de sangue de voluntários que doaram nas unidades da capital cearense e Região Metropolitana. O Hemoce Sobral foi a unidade do Interior que mais recebeu doações no ano passado. Cada hemocentro regional é responsável pelo atendimento transfusional das suas respectivas regiões.

Cobertura em todo Ceará

Por meio da organização da hemorrede, com as unidades em Fortaleza e no interior do Ceará, o Hemoce abastece a demanda transfusional dos 184 municípios cearenses, atendendo a mais de 480 unidades de saúde. Para manter o estoque seguro, o Hemoce monitora diariamente o número de doações realizadas em todos os postos de coleta.

A meta é receber 330 doações por dia. A hemorrede trabalha, ainda, de forma descentralizada, mas interligada para suprir qualquer necessidade. Em algumas situações, as unidades atendem a demandas de outras regiões fora da sua área de cobertura, como em casos de pacientes de sangue raro.

Fonte: Natássya Cybelly – Ascom Hemoce Texto e Foto Roberto Pacheco

Rodrigo Kawasaki

Rodrigo Kawasaki

Editor-chefe da Público A.