[PÚBLICO A SAÚDE] O impacto psicológico do diagnóstico do câncer de próstata

Compartilhe Essa notícia

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

Ninguém no mundo está livre de ser abalado por uma doença, seja ela física ou mental. A população masculina precisa se conscientizar da necessidade de cuidar do corpo e da mente

Que a campanha do Novembro Azul visa alertar a população para a saúde do homem, praticamente todos sabem. No entanto, essa saúde não está ligada somente ao combate ao câncer de próstata, como mais se menciona neste período. O apelo está ligado, inclusive, ao cuidado com a mente, e  ao desvencilhamento do preconceito.

O câncer de próstata, quando descoberto em seus primeiros estágios, tem 90% de chance de cura. Entretanto, se diagnosticado de maneira tardia, isso diminui exponencialmente. Apesar de ser o tipo de câncer mais comum entre os homens, é também o mais complicado de ser discutido, por se deparar com preconceitos de gênero, crenças, valores e a definição equivocada sobre o que é ser homem.

Esse cenário contribui para a alta de diagnósticos de câncer de próstata em estadiamento avançado. O paciente com câncer de próstata tem a sua vida modificada em aspectos físicos, psíquicos e sociais. Por afetar especificamente uma área responsável pelas funções sexuais do homem, é comum que o paciente se sinta estigmatizado, por achar que não será mais o mesmo de antes.

Para o enfrentamento das mudanças é necessário uma rede de apoio: família, amigos e acompanhamento psicológico. “O diagnóstico do câncer de próstata afeta não só o paciente, esposas e filhos também são impactados psicologicamente, pois ainda é muito forte no imaginário popular relacionar câncer a morte. Nesse caso, é recomendado que toda a família procure atendimento psicológico, seja ele individual ou em grupo. A segunda opção se apresenta muito importante uma vez que os envolvidos compartilharão sua vivência, medos e inseguranças com outras pessoas que estão passando pela mesma situação”, explica a psicanalista e presidente do Instituto Revoar, Elaine de Tomy.

Foto: divulgação

Rodrigo Kawasaki

Rodrigo Kawasaki

Editor-chefe da Público A.