[PÚBLICO A TURISMO] Ampliação na pista do Aeroporto de Fortaleza permite pousos e decolagens de voos intercontinentais

Compartilhe Essa notícia

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

Investimento de R$ 100 milhões em obras de expansão da pista de pouso e decolagem, conforme previsto no contrato de concessão com a Fraport Brasil, deixou o Aeroporto Internacional de Fortaleza Pinto Martins apto a receber voos intercontinentais. O traçado foi expandindo em 210 metros, chegando ao comprimento total de 2.755 metros. Além disso, houve a implantação das devidas áreas de segurança de fim de pista (Resas) e foi construída uma nova via de taxiamento (taxiway).Com as obras, o terminal poderá receber voos diretos de outros continentes de forma eficiente e com total segurança. Os aviões terão condições de decolar com mais peso, seja por transportarem carga maior ou estarem abastecidos com mais combustível, o que amplia a autonomia dos voos. Fatores que estimulam o desenvolvimento econômico, a partir do turismo doméstico e internacional e ainda pelo incremento na logística nacional de transportes.Para o Ministério da Infraestrutura, são investimentos estratégicos visado modernizar e melhorar a conectividade da principal porta de entrada para a quinta maior cidade brasileira e maior do Ceará em população – estado com destaque turístico mundial por suas belezas naturais. Durante toda a obra, o aeroporto seguiu em funcionamento.AMPLIAÇÕES – Hoje, a cabeceira 31 já opera com 2.755 metros para pouso e decolagens. A cabeceira 13, por sua vez, está com 2.755 metros permitidos para decolagens e 2.613 metros para pousos – a capacidade total será atingida após a instalação de novo equipamento de auxílio para pouso (ILS) na segunda cabeceira, o que deve ser feito ainda neste ano pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea).Ambas as cabeceiras ficaram disponíveis para utilização ainda em agosto, logo após a nova pista de pouso e decolagens ser homologada pelas autoridades do setor aéreo. Entre outras providências, o Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta) aprovou as zonas de proteção do aeródromo; o Instituto de Cartografia Aeronáutica (ICA) elaborou e emitiu as novas cartas aeronáuticas e a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) constatou a conformidade da infraestrutura com os Regulamentos Brasileiros de Aviação Civil (RBAC).

Fonte: Ministério da Infraestrutura – Foto: Fraport Brasil/Divulgação

Rodrigo Kawasaki

Rodrigo Kawasaki

Editor-chefe da Público A.