[PÚBLICOA GOURMET] Sucré comemora 15 anos com mais de 300 pontos de vendas pelo Brasil e mira consolidação no mercado varejista

Compartilhe Essa notícia

De um simples café no interior de uma loja de presentes a uma marca de snacks doces e salgados presente em mais de 300 pontos de venda pelo país, a Sucré Brasil comemora 15 anos de fundação unindo qualidade, sabor e propósito. Sob o comando da chef Lia Quinderé, a marca mira a consolidação no mercado do varejo.  Formada na escola de gastronomia francesa Le Cordon Bleu e na escola de cake design Wilton School, em Chicago, nos Estados Unidos, Lia cria receitas evidenciando o seu domínio das técnicas da escola francesa aliada a um olhar para o ingrediente regional.

“A Sucré nasceu em 2008 como uma confeitaria tipo pâtisserie com base francesa, mas aliada à proposta de trabalhar com ingredientes regionais. Eu entendia que precisávamos usar os nossos ingredientes não só pela viabilidade, mas também por entender que deveria fomentar a economia local e fortalecer a nossa cultura gastronômica. Tudo isso para mostrar que é possível trabalhar com produtos de alta qualidade usando ingredientes locais”, frisou a chef.

Inquieta, Lia começou a produzir doces na cozinha de sua casa em 2006, após concluir a formação em Gastronomia, daí em diante, progrediu numa trajetória de muitas mudanças. “Eu fazia os doces, fotografava e divulgava no Orkut, aproveitando um conhecimento em fotografia que eu já tinha. Daí veio o convite para montar um café dentro da Carpe Diem, uma loja de presentes, e, com o aumento da demanda, precisamos nos mudar algumas vezes até integrar em um só lugar nossa cozinha, loja e escritório”, explicou.

Com a evolução do negócio e o elevado número de feedbacks positivos da coxinha produzida na loja própria, a decisão de lançar o produto em um ponto de venda ficou mais animadora. A decisão mostrou efetividade, pois a marca Sucré conseguiu espaço e fez da venda para o varejo a principal estratégia de escalabilidade. O sucesso acompanhou outros lançamentos como Sucroc e Melhor que Farofa.

Com a consolidação do mercado cearense, a marca realizou a expansão para outras praças do Nordeste, além de Rio de Janeiro e São Paulo, e mira consolidar sua atuação nelas. Para alinhar as operações, o modelo de negócio de doceria passou por remodelagem para um formato mais perto do consumidor final. O projeto piloto está em fase de lançamento este mês com a expectativa de chegar às mesmas praças que a marca já atua.

“Nós vamos iniciar neste mês de julho uma nova operação, diferente do formato da loja de doceria. É um novo conceito que entendemos que é a forma como teremos de crescer, estar presente em mais lugares, e também de se aproximar mais do que estamos fazendo nas redes de supermercado”, explicou.

Foto: divulgação

Rodrigo Kawasaki

Rodrigo Kawasaki

Editor-chefe da Público A.